segunda-feira, 28 de junho de 2010

Angelo Giuseppe Roncalli - por Hannah Arendt

... um cristão no trono de São Pedro de 1958 a 1963.
.
"É com relação a seu trabalho na Turquia, onde, durante a guerra, entrou em contato com organizações judaicas (e, num caso, impediu que o governo turco embarcasse para a Alemanha algumas centenas de crianças judias que haviam escapado à Europa ocupada pelos nazistas), que posteriormente levantou uma das raríssimas reprovações sérias a si mesmo - pois, apesar de todos os 'exames de consciência', não era absolutamente dado a autocríticas. 'Eu não poderia', escreveu, 'eu não deveria ter feito mais, ter feito um esforço mais decidido e ido contra as inclinações da minha natureza? A busca de calma e paz, que considerei esta em maior harmonia com o espírito de Deus, não terá talvés mascarado uma certa falta de vontade em tomar a espada?' Nessa época, porém, ele se permitira apenas uma explosão. Logo após a eclosão da guerra com a Rússia, foi abordado pelo embaixador alemão, Franz von Papen, que lhe pediu que usasse sua influência em Roma para obter um franco apoio do papa à Alemanha. 'E o que vou dizer sobre os milhões de judeus que seus conterrâneos estão assassinando na Polônia e na Alemanha?' Isso foi em 1941, quando o grande massacre mal começara."
- cf. ARENDT, Hannah. Homens em tempos sombrios. SP: Companhia de Bolso, 2008, p. 72 (traduz o texto inglês Men in dark times).

Nenhum comentário:

Postar um comentário