quinta-feira, 24 de abril de 2014

Biografia do PAPA JOÃO PAULO II

PERFIL BIOGRÁFICO OFICIAL
DO PAPA JOÃO PAULO II (1920-2005)

Tradução livre do italiano, disponível em: http://www.vatican.va/special/canonizzazione-27042014/documents/biografia_gpii_canonizzazione_it.html, por Padre Rodolfo Gasparini Morbiolo.


KAROL JÓZEF WOJTYŁA,

...foi eleito Papa em 16 de outubro de 1978, nasceu em Wadowice (Polônia), em 18 de maio de 1920. Era o terceiro de três filhos de Karol Woityla e de Emilia Kaczorowska, que morreu em 1929. Seu irmão mais velho Edmund, médico, morreu em 1932 e seu pai, oficial do exército, em 1941. Aos nove anos recebeu a Primeira Comunhão e aos dezoito anos o Sacramento da Crisma. Terminados os estudos ginasiais em Wadowice, em 1938 se inscreveu na Universidade Jagellónica de Cracóvia.

Quando as forças de ocupação nazistas fecharam a Universidade em 1939, o jovem Karol trabalhou (1940-1944) em uma pedreira e depois em uma fábrica química Solvay para poder adquirir o suficiente para sobreviver e evitar uma possível deportação para a Alemanha. A partir de 1942, sentindo-se chamado ao sacerdócio, frequentou os cursos de formação do Seminário Maior clandestino de Cracóvia, dirigido pelo Arcebispo Adarn Stefan Sapieha. Ao mesmo tempo, foi um dos promotores do “Teatro Rapsódico”, também clandestino.

Depois da guerra, continuou seus estudos no seminário maior de Cracóvia, reaberto, e na Faculdade de Teologia da Universidade Jagellónica até sua ordenação sacerdotal, em Cracóvia em 1 de novembro de 1946. Sucessivamente, foi enviado pelo Cardeal Sapieha a Roma, onde conseguiu seu doutorado em teologia (1948), com uma tese sobre o tema da fé nas obras de São João da Cruz. Neste período, durante suas férias, exerceu ministério pastoral entre os emigrantes poloneses na França, Bélgica e Holanda.

Em 1948 retornou à Polônia e foi primeiro coadjutor na Paróquia de Niegowic, perto de Cracóvia, depois na de São Floriano, na própria cidade. Foi capelão de universitários até 1951, quando retomou os seus estudos filosóficos e teológicos. Em 1953 apresentou à Universidade Jagellónica de Cracóvia uma tese sobre a possibilidade de fundar uma ética cristã a partir do sistema ético de Max Scheler. Mais tarde, fez-se professor de Teologia Moral e Ética no seminário maior de Cracóvia e na Faculdade de Teologia de Lublino.

Em 4 de julho de 1958, o Papa Pio XII, o nomeou Bispo Auxiliar de Cracóvia e titular de Ombi. Recebeu a ordenação episcopal em 28 de setembro de 1958 na Catedral de Wawel (Cracóvia), pelas mãos do Arcebispo Eugeniusz Baziak. Em 13 de janeiro de 1964 foi nomeado Arcebispo de Cracóvia pelo Papa Paulo VI, que o fez Cardeal em 26 de junho de 1967. Participou do Concílio Vaticano II (1962-1965) dando uma contribuição importante para a elaboração da Constituição “Gaudium et Spes”. O Cardeal Wojtyla também participou das 5 assembléias do Sínodo dos Bispos anterior ao seu Pontificado.

Foi eleito Papa em 16 de outubro de 1978 e iniciou seu ministério pastoral universal em 22 de outubro de 1978. Papa João Paulo II cumpriu 146 viagens pastorais na Itália, e como Bispo de Roma, visitou 317 das atuais 332 paróquias romanas. As viagens apostólicas pelo mundo, expressão da constante solicitude pastoral do Sucessor de Pedro por toda a Igreja, somaram 104 ao todo.

Entre os seus documentos principais estão incluídos: 14 Encíclicas, 15 Exortações apostólicas, 11 Constituições apostólicas e 45 Cartas apostólicas. Ao Papa João Paulo II ainda se atribuem 5 livros: “Cruzando o limiar da esperança” (outubro de 1994); “Dom e mistério: no quinquagésimo aniversário do meu sacerdócio” (novembro de 1996); “Tríptico Romano: meditações em forma de poesia” (março de 2003); “Levantai-vos, vamos” (maio de 2004) e “Memória e Identidade” (fevereiro de 2005).

Papa João Paulo II celebrou 147 ritos de beatificação, nos quais proclamou 1338 beatos e 51 canonizações para um total de 482 santos. Realizou 9 consistórios nos quais criou 231 (1 “in pectore”) cardeais. Presidiu também 6 reuniões plenárias do Colégio Cardinalício. Desde 1978 convocou 15 assembléias do Sínodo dos Bispos: 6 gerais ordinárias (1980, 1983, 1987, 1990, 1994 e 2001), 1 geral extraordinária (1985) e 8 especiais (1980, 1991, 1994, 1995, 1997, 1998 [2] e 1999).

Em 13 de maio de 1981 na Praça de São Pedro sofreu um grave atentado. Salvo da morte pela mão materna da Mãe de Deus, depois de longo período hospitalizado, perdoou o homem que causou o atentado, e consciente de haver recebido uma nova vida, intensificou o seu empenho pastoral em heroica generosidade.

A sua solicitude pastoral encontrou expressão, entre outras coisas, na criação de numerosas dioceses e circunscrições eclesiásticas, na promulgação do Código de Direito Canônico latino e das Igrejas Orientais, do Catecismo da Igreja Católica. Propondo ao Povo de Deus momentos de particular intensidade espiritual, proclamou o Ano da Redenção, o Ano Mariano e o Ano da Eucaristia, sem contar o Grande Jubileu de 2000. Aproximou-se das novas gerações pela proclamação da celebração da Jornada Mundial da Juventude. Nenhum Papa encontrou tantas pessoas como João Paulo II. As Audiências Gerais nas Quartas-feiras (mais de 1160); delas participaram mais de 17 milhões de 600 mil peregrinos, sem contar todas as audiências especiais e as cerimônias religiosas (mais de 8 milhões de peregrinos somente ao longo do Grande Jubileu do Ano 2000). Encontrou milhões de fiéis ao longo das visitas pastorais na Itália e no mundo. Também foram numerosas as personalidades governamentais recebidas em audiências; bastaria recordar as 38 visitas oficiais e as 738 audiências ou encontros com Chefes de Estado, como ainda as 243 audiências e encontros com Primeiros Ministros.

Morreu em Roma, no Palácio Apostólico do Vaticano, sábado dia 02 de abril de 2005, às 21h37, na vigília do Domingo “in Albis” ou da Divina Misericórdia, por ele instituída. Seu funeral solene na Praça de São Pedro e sepultamento na Necrópole Vaticana celebraram-se aos 18 de abril.

O rito solene de beatificação, no átrio da Basílica Papal de São Pedro em Roma, em 1 de maio de 2011,  foi presidido pelo Sumo Pontífice Bento XVI, seu imediato sucessor e precioso colaborador por longos anos com Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé.


+

+ BENDITO AQUELE QUE VEM EM NOME DO SENHOR +

+ ALELUIA +

+

Nenhum comentário:

Postar um comentário